Decidi que vou Casar!

Acho que todos que me conhecem bem e os amigos aqui do blog  que acompanham as abobrinhas que escrevo ou escutam as baboseiras que eu falo, sabem que estou há tempos, passando por um período de transição ou coisa parecida.

Nesse post aqui, vocês viram um pouquinho da minha crise de idade, rs. E aqui, um pouco dos questionamentos que tenho feito ou do quanto sou grata por cada experiência que Deus coloca no meu caminho.

O fato é que de um tempo pra cá tenho tentado muito, mas muito mesmo, entender o sentido das coisas. É um pensamento ambicioso, eu sei, mas não me entendam mal. Acho que evoluímos muito interna e humanamente quando nos dispomos a olhar um pouco ao nosso redor; quando tentamos não supervalorizar os nossos probleminhas de cada dia e tals. Para isso então, cada situação que me acontece eu tento fazer um tipo de verificação, buscando sentidos em entrelinhas para que nada passe desapercebido.

Fazendo essas 'verificações', percebi que é necessário definir prioridades na vida. Acho que já dividi com todos aqui os meus desejos profissionais, minhas vitórias e frustrações. Desde que saí da faculdade eu tenho tentado conseguir essas coisas (especialização, mestrado, doutorado...) mas, como eu evidenciei no post sobre minha crise de idade, tenho andado bem lerda quanto aos estudos e tudo o mais. E não sei se é porque ando com meu instinto materno aflorado ultimamente, mas cheguei à conclusão que entre outras coisas, eu também quero casar!!!

Eu vejo, nesse meio acadêmico uma série de profissionais inteligentíssimos, competentíssimos e tals, mas que para chegar nesse grau de titulação tiveram que abrir mão de tantas coisinhas comuns à maioria das pessoas e isso é tão triste. Eu não quero ser uma tia velha casada apenas com títulos! Credo! :s

Não estou condenando quem é assim, vejam bem. É como eu disse no começo: tudo é questão de se definir prioridades. E ser uma tia velha casada com títulos não é a minha. Descobri isso há aproximadamente umas quatro semanas e fiquei tão feliz com essa descoberta! É muito mais fácil ser objetivo quando sabemos o que estamos buscando. (Óbvio, né? Mas pasmem, eu dei muitas voltas para chegar à essa conclusão, haha.)

Quando eu estava ministrando um curso em uma cidadezinha entre outubro e novembro de 2013, um dia conversando com um aluno com um certo potencial, perguntei a ele o que ele esperava, ansiava ou lutava nessa vida, algo nesse sentido. Eu perguntei isso porque eu passo tanto tempo pensando nisso, tipo: até onde sabemos, só possuímos essa vida, essa oportunidade de ver, conhecer, saber e experimentar coisas e situações. Eu tenho minha listinha de coisas que, ao chegar no final da minha vida, gostaria muito de olhar para trás e me sentir realizada e com a sensação de dever cumprido. Claro que isso me torna uma pessoa meio  totalmente sistemática, etc (mas já estou acostumada). Mas o que me deixa realmente intrigada, é que muita gente não pensa a esse respeito.

Você já parou pra pensar nisso? A vida é algo único e todos estamos aqui por alguma razão... Então imagine a pessoa apenas passar por aqui de maneira vazia? É ou não é de cortar o coração? Sei que esse é um pensamento superficial, sei que todas as pessoas possuem o seu valor. Muitas vezes nos sentimos insignificantes nesse grande caos de existência e SOMOS mesmo (insignificantes). No entanto,  mesmo em nossa pequenez existe um sentido, somos sim capazes de gerar mudanças - de pequeno, médio e grande porte -, e talvez  - isso vai soar utópico - se mais pessoas tivessem consciência disso, o mundo não estaria tão carregado de desamor, barbáries e egoísmo.

Alguma sábia pessoa já disse por aí que não se faz omelete sem quebrar os ovos... Então que quebremos todos eles e façamos ovos, bolos e biscoitos. Não dá pra chegar a algum lugar sem ter uma vaga ideia de para onde ir. Encerro esse post com algumas citações que encontrei na internet, visto não encontrei nenhuma que se enquadrasse nos livros que andei lendo. Beijos, beijos e um feriado de carnaval legalzinho para todo mundo. 







**********

"O objetivo da vida é o autodesenvolvimento; é perceber, com perfeição, nossa natureza... é para isto que estamos aqui, cada um de nós. Mas, hoje em dia, as pessoas têm medo de si próprias. Esqueceram da mais elevada das obrigações, a obrigação que devemos a nós mesmos. Mas, é claro, são caridosas. Alimentam os famintos, vestem os mendigos. Suas próprias almas, entretanto, sentem fome, estão nuas." - Oscar Wilde.

"Existem dois objetivos na vida: o primeiro, o de obter o que desejamos; o segundo, o de desfrutá-lo. Apenas os homens mais sábios realizam o segundo." - L. Smith

27/02/2014

8 comentários:

  1. É sempre bom definir as prioridades, mas eu li e reli e só me surgiu uma duvida. Já tem com quem?

    ResponderExcluir
  2. Pois é, né Anônimo. Faltam algumas variáveis nessa equação! Mas é como eu disse: o importante é saber o que se quer. Uma vez que o objetivo esteja definido, fica mais fácil obter clareza para definir os meios de como se chegar lá.

    ResponderExcluir
  3. Virgínia, procure se relacionar com amigos nos eventos da tua paróquia e em reuniões familiares. Os namoros e casamentos surgem espontaneamente. Mas não comece relacionamentos em bar, boite ou festas.
    Dirija a palavra aos homens para começar uma conversa. Lembre que todas as pessoas têm qualidades e defeitos, não procure perfeição.

    ResponderExcluir
  4. Garota! Somos nós que damos significância e significado às nossas vidas! Descubra, com o coração onde está o seu desejo, e quebre todos os ovos para ir em busca dele.Com Fé.Com a sua percepção, sensibilidade e inteligência, não vai ser difícil. Tenho certeza. Beijo grande!

    ResponderExcluir
  5. Marcos, concordo contigo. Relacionamentos não se iniciam em bares, boates e etc., ainda mais para pessoas com certas tendências anti-sociais como eu, rs. Mas é como eu falei para o anônimo ali em cima, faltam variáveis na equação mas ainda não estou desesperada, atirando papel no vento,rs. O post foi mesmo no sentido de definir prioridades na vida, saber o que se quer para ter ao menos uma ideia de por onde começar. Sou a favor da espontaneidade das coisas. Quando tiver que ser (pelo menos nesse sentido, será). Até lá, vou tentando tirar a essência do que cada momento da vida traz.

    Maria Alice (Blogat), te admiro tanto, sabia? Você me passa muita serenidade e sabedoria. Quando você diz que nós é que damos significância e significados à vida acho lindo, mas ainda tenho um pouco de dificuldades de digerir todo esse "poder" que temos. É evidente que muitas coisas dependem de nós. Mas existem tantas outras que não... E isso me assusta bastante!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Admiração recíproca. Na sua idade, não tinha este seu discernimento...Acho bonito. Mas talvez aí é que esteja a resposta!! Pensas demasiado...para sua idade! Ser a favor da espontaneidade das coisas já é um bom (ótimo) começo...bjs

      Excluir
  6. Meus parabéns! Eu não seria capaz de tomar essa decisão, sempre tive dúvidas até um dia que... me apaixonei. Assim, pra valer. E foi crescendo, com tempo o tempero da minha vida era aquele sentimento. Acho que você faz bem em refletir sobre isso, provavelmente poucas refletem. Deixe de lado os preconceitos e vá em frente, dê chances, conhecer pessoas leva tempo.

    Bjs!

    Michelle

    ResponderExcluir
  7. Olá, Virgínia! Há quanto tempo!

    Hoje, passei aqui no seu blog, vi esse post e achei interessante. Achei muito legal a sua decisão e te dou os parabéns!

    Eu acho que não te falei, mas eu me casei! Em janeiro de 2014. No fundo, eu sempre soube que iria conseguir, mas, no raso, eu sentia muita angústia e solidão. Entendo bem desses sentimentos.

    Antes, eu achava que o meu problema era pensar demais. Hoje, eu afirmo: o problema é que o mundo pensa de menos! A minha esposa, que eu amo tanto, pensa tanto quanto eu, e nós temos altas discussões filosóficas! É um antigo sonho realizado... É algo que o mundo tentou me convencer de que era impossível, e eu convenci o mundo de que é real.

    Cada um é como é. A única coisa é que alguns tem coragem de assumir isso. Isso, muita gente fala, o que poucos falam é que essa coragem geralmente vem acompanhada de muito frio na barriga! Os corajosos são aqueles que justamente enfrentam seus medos com todo o frio na barriga do mundo. Ninguém tem que seguir os padrões alheios para ser feliz (pelo contrário!). Eu imagino que você pense muito sobre essa questão e que já teve diferentes conclusões. Mas hoje posso falar com conhecimento de causa: quando a gente assume quem realmente é e se coloca assim para o mundo, ele responde positivamente e abre as portas!

    Mantenha-se firme nas suas prioridades e você chegará lá. Desejo muita felicidade e sucesso na sua jornada!

    []s,
    André

    ResponderExcluir