Um post mal humorado




Se 2009 foi um ano de lamentações, de muito chorar e amolar as pessoas à minha volta com minhas angústias, 2010 tem sido um ano não apenas de renovação, mas também de repensar toda minha vida. Dia desses fui à pizzaria cuja dona me viu nascer e que tem um filho de mesma idade, inteligentíssimo por sinal e faz alguma engenharia na USP.
Então ela me disse: “Vivi, você quando se formar deve ir embora daqui como o meu filho fez. Vá fazer uma pós (graduação) ou um mestrado na mesma faculdade que ele, eu sei que se você estudar muito você consegue. Ficar aqui não te levará pra frente. As pessoas não dão o valor necessário à sua profissão aqui...”.
Claro que dei razão a ela, tudo o que ela me disse é bastante óbvio pra alguém que busca realização profissional e financeira e etc. Mas acho que de fato não me importo tanto assim com isso, e para explicar o porquê darei outro exemplo.
Numa outra ocasião, estava eu e minha mãe a conversar e ela começou a comentar de uma moça que fez – imagine só – a Alfabetização comigo! Ela aos 14 ou 15 anos se não me engano, envolveu-se com um homem mais velho e largou os estudos, se rebelou contra os pais (toda aquela novela mexicana) até conseguir se casar com ele. E ela finalizou dizendo: “Coitadinha, ela acabou com a vida dela!”, disse isso com certo orgulho provavelmente com aquela sensação de minha-filha-é-exatamente-o-oposto.
Mais uma vez por conveniência concordei. Porém cada vez mais tenho discordado das pessoas que partilham dessa opinião. De um tempo pra cá, para a maioria das pessoas é isso que basicamente tem importado. Dinheiro, dinheiro, mate-se de tanto trabalhar, dê adeus à sua vida estudando como um louco; acabe com a sua saúde física e mental, tenha uma estafa, deixe de lado a vida ao ar livre, crie raízes na frente do computador, deixe de estar ao lado de quem você ama, torne-se um sedentário, vire anti-social, viva para estudar e passar num concurso federal, pois só assim você poderá fazer de conta que trabalha ganhando uma boa grana no fim do mês, e por aí vai.
Todos têm apostado suas fichas nisso: riqueza, mas me questiono se todo o esforço vale à pena. Eu não quero ser rica, eu não nunca fui; não preciso disso. Tudo tem girado em torno de tal e que benefício temos tido em troca? O aumento dos casos de doenças psicológicas como o estresse e a depressão? E o que falar do número crescente de pessoas que sofrem infartos, AVCs, distúrbios e etc?
O duro é que esta postura tem se instalado na mente das pessoas, estão esquecendo-se do essencial. É só olhar para o passado, há tempos atrás não tínhamos metade das facilidades de hoje, mas as pessoas tinham uma qualidade de vida muito melhor, não morriam de fome, não precisavam viver em função do trabalho para ter alguns momentos de lazer, sabiam dar valor as coisas simples.
Atualmente isso é que tem me importado. Tenho percebido que os momentos mais felizes da minha vida são aqueles não planejados, aqueles em que não preciso de dinheiro ou um livro debaixo do braço pra estudar.  Sim, correr atrás de um futuro melhor é importante, é necessário. Mas acredito que não devemos abrir mão desses momentos tão preciosos que a vida nos proporciona de graça. E também acho que não há uma receita. Cada um tem que correr atrás daquilo que acredita e não devemos diminuir isso.
Aquela moça que minha mãe chamou de coitada, eu não tenho essa opinião sobre ela. Quando ouço histórias desse tipo procuro ver a pessoa corajosa que existe ali, que não deu ouvidos ao que os outros achavam ser o melhor para ela. Ela seguiu seus instintos, seu coração e hoje em dia são pouquíssimas as pessoas que assumem esse risco, ir atrás do que se quer realmente sem se deixar amedrontar pelos riscos que esse caminho traz.
Na realidade, qualquer caminho escolhido acarreta riscos, mas hoje há essa tendência de diminuir os sentimentos alheios, de colocar o dinheiro, a vida profissional e acadêmica na frente da felicidade pessoal. As pessoas tem se esquecido de que quando estamos satisfeitos conosco, ou com situações à nossa volta temos mais ânimo pra trabalhar, estudar, enfim... E o resultado é muito melhor.
Isso é que tenho me proposto atualmente. E sugiro cada um fazer o mesmo (uma auto-avaliação), verificar o que realmente importa para você, e não o que terceiros dizem ser o melhor. É claro que não estamos sozinhos nesse mundo, não somos auto-suficientes e precisamos sim ouvir opiniões, sugestões, mas no final das contas a Vida é sua e só você é responsável por ela, só você é quem irá vivê-la. Pense nisso, pense nas sementes que tem plantado hoje. Veja se essas sementes lhe trarão frutos satisfatórios ou não. Porque chegará o dia em que não será possível fazer mais nada, apenas contemplar todas as escolhas feitas, seja elas certas ou erradas.  





                                                                                                           

9 comentários:

  1. É isso aí, Vi! Na verdade, sempre buscamos o doce e quase utópico "equilíbrio"... sucesso profissional e vida pessoal tranquila... as mulheres, por exemplo, conquistaram muuuuuuuuuuito no mercado, mas mtas se tornaram frias e "poderosas" em seus namoros que duram pouco... os homens se sentem perdidos: "qual o papel deles?"... quem consegue passar pela vida e falar "conseguir ter as duas coisas e fui feliz e sou feliz" é um ser humano raro e um baita sortudo! rsrs... Abraços, sucesso! Viva a liberdade!

    ResponderExcluir
  2. É Vi... é bom parar e refletir sobre a vida. O difícil é quando descobrimos que não sabemos se o que fazemos é o que realmente queremos... se estamos vivendo por nós ou pelos outros... e se as escolhas de hoje farão o amanhã que sonhamos!
    Eis a Vida... se fosse fácil vivê-la ninguém teria problemas, dúvidas, seria tudo perfeito. Mas é na adversidade dos fatos, na escolha acertada, no afeto de quem nos cerca que encontraremos momentos que reafirmam o quanto é bom viver!

    ResponderExcluir
  3. Eu estou meio que em um dilema, pra escolher a facul... fazer algo que goste ou algo que dê dinheiro!? é horrível isso!
    Mas acho que agente sempre deve escolher aquilo que agente gosta e nos deixa felizes!

    ResponderExcluir
  4. Mais uma vez parabens pelo texto.
    Bom, penso mais-ou-menos-igual (?!) a você...rs
    É um dilema que vivemos, uma decisão que devemos tomar. Também escrevi um texto sobre isso (que voce até comentou...rs) e acho que temos que saber equilibrar, embora conseguir isso seja um dos maiores desafios que temos hoje em dia.

    Ja tem mais de um ano que estou pensando mais da minha integridade e deixando os livros de lado. Estou mais "zem"...rs

    Link do texto que falei:
    http://hugoalves2004.blogspot.com/2010/02/o-presente-ou-o-futuro.html

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito de ter lido isso. Não apenas por que concordo integralmente contigo, mas especialmente por que não é preciso dinheiro demais ou poder para se viver bem. É mais fácil ter muito dinheiro e não ter tempo para usufruir a ida do que, com pouco dinheiro, sentir a vida não apenas pelas beiradas. Pode parecer frase batida. Mas a felicidade está mesmo nas coisas mais simples.

    ResponderExcluir
  6. Precisamos de trabalhar para sobreviver!
    Contudo, sem paz e equilibrio não temos como sobreviver com qualidade de vida!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Sabe, Vi, faz um bom tempo que deixei de ponderar ou pensar sobre atitudes alheias... Acho que cada um sabe de si ou deve saber. Como disse, as escolhas independem de estar certas ou erradas. Vamos arcar cm elas e pronto.
    Não faço juízo de valor em relação a ninguém e vivo pegando no pé do meu marido, que é conservador e adora julgar atitudes alheias. falo sempre que não podemos julgar e condenar aquilo que não temos conhecimento. Afinal, ninguém está dentro da história pra saber o porquê dessa ou daquela atitude.
    Adorei o r]seu texto! Muito p]bom pra pensar! Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Oi,Vi!Concordo contigo, acho que dinheiro não é tudo na vida,semana passada até fiz um post sobre isso o que eu vou ser quando eu crescer, meu sonho sempre foi fazer jornalismo e é atrás disso que vou correr agora, ler e escrever são minhas maiores paixões e nossa só de me imaginar trabalhando numa redação me sinto realizada.
    Uma ótima semana!
    Beijosss

    ResponderExcluir
  9. Mais uma vez "caraca fia!", show de bola o post! Parabéns!

    Muito legal a sua visão da mina que foi se casar co cara lá. Confesso que eu já estava pensando igual à sua mãe: "nossa, que maluca!". Mas vc deu uma outra interpretação mto mais interessante à parada. Realmente, na verdade ela foi é mto corajosa!

    Talvez seja mto feliz hoje. Ou talvez não seja, assim como "talvez" é sempre a resposta para cada uma de nossas decisões, sejam as mais "arriscadas" ou as mais "certas", como 'estudar para ter um bom emprego'. Nunca dá pra saber, só dá pra ouvir todo mundo e decidir sempre por nós mesmos, assumindo os riscos, principalmente o de ser feliz.

    Eu passo por situações parecidas (acho que todo mundo passa). Atualmente estou trabalhando (comecei há exato um mês) e terminando o mestrado. Minha família fica completamente dividida. Minha mãe acha que chega de estudar, tem mais é que trabalhar mesmo. Minha vó acha que eu deveria é ter acabado logo o mestrado e ido fazer doutorado. Meu vô acha que eu tinha é que sair prestando concurso público.

    Pô, e será que alguém se importa com o que EU gostaria de fazer!? Na verdade todos sabem, mas parece que ng me dá razão... O que eu quero fazer é mto simples: adquirir experiência profissional trampando como programador em empresa(s) e posteriormente fazer um doutorado (decente, ao contrário do mestrado) e/ou passar em algum concurso pra professor/pesquisador. E pra mim é um caminho muito óbvio, é o melhor jeito que eu conheço para ser um pesquisador de verdade, que sabe como é o mundo real e pode fazer pesquisas realmente úteis. Mas parece que quase ng pensa igual eu... Fazer o quê né :).

    Ah, e acho mto legal a sua visão de mundo. O mundo precisa de mais computeiros/computeiras como vc, hehe... A maioria deles (de nós?) têm uma visão muito limitada das coisas, esquecem-se das artes, do lado humano da vida. Eu procuro diversificar ao máximo. Odeio bitolagem :).

    bjos!

    ResponderExcluir