Dictum et Factum

(Dito e Feito). Não costumo usar muito essa expressão, mas ela sempre anda comigo e sempre aparece em momentos oportunos. E hoje cai como uma luva. Eis que chegou o momento das constatações. Sabe quando você "tem certeza" sobre algo e só precisa da confirmação? Refiro-me a situações como ao andar sobre um meio fio e sua mãe dizer: "Desce senão você cairá" e ao desobedecer você cai? Digo, não a respeito do que mãe diz geralmente se cumprir, mas sobre aquelas coisas que por mais que sejamos avisados, só damos como certos após termos provado.

É interessante como em determinado momento de nossas vidas isso passa a fazer mais sentido do que nunca. Não adianta apenas saber, ter consciência do funcionamento de uma coisa ou outra, não há nada como o experimentar a situação! Quem nunca ficou magoado com uma situação ou com alguém e ficou com a sensação de que aquela dor, frustração, ou seja, qual for sentimento ruim nunca fosse passar? É claro que no fundo você sabe/sabia que é tudo uma questão de tempo. Maas, ainda assim esse pensamento racional não bloqueia as sensações depressivas que lhe tomam conta - até isso de fato acontecer.

E o que falar das más companhias? Todos te avisavam, e você até conhece o risco daquilo acontecer, mas só acredita quando mesmo quando essas companhias ferram você. E por aí vai, são centenas de exemplos, términos de relacionamentos, dores musculares (sabe quando você exagera nos exercícios e no dia seguinte não consegue nem andar direito??) e até mesmo sexo, todos dizem que é bom, mas você só vai acreditar quando passar a praticá-lo.

Que é dito e feito quando as suspeitas se realizam não é novidade, mas a grande questão é: por que temos essa mania de São Tomé (tipo "só acredito vendo")? Por que algumas coisas só tem sentido depois de vividas? Por que prática é melhor que teoria?


2 comentários:

  1. Acho é simplesmente natural, instintivo, experimentar para ter conhecimento. Ainda mais se é algo que desejamos, duvidamos ou nos chame atenção, aí é que queremos ver pra crer mesmo!
    Passar pela vida ouvindo muito o que as pessoas dizem pode culminar em não vive-la intensamente. Claro que não é pra incorporar Alvaro de Campos e sua sede por experimentar tudo de uma vez só, rs. Mas são as experiências que fazem a vida ser mais interessante. Então, as vezes é bom dar 'murro em ponta de faca', 'remar contra a maré'... afinal, que graça teria a vida se não existisse o erro?

    ResponderExcluir
  2. Acho que é do ser humano, agente tende a acreditar no que é palpável no que estamos vendo, mas as vezes acaba ficando caro demais, pagar pra ver!

    ResponderExcluir